Tomada de decisões O gestor de finanças deve se antecipar para que possa tomar melhores decisões. Isso pode ser feito, por exemplo, através da análise de cenários, observando a volatilidade do mercado, os riscos envolvidos nos investimentos, avaliando o custo de financiamentos, dentre outras questões. Todas as importantes decisões relacionadas às finanças dependerão de variáveis complexas, que precisam estar alinhadas com a estratégia do negócio. A análise de investimentos é um dos mais importantes papéis do gestor financeiro e envolve diversos indicadores de performance, como o Playback, TIR (taxa interna de retorno), VPL (valor presente líquido), dentre outros, e para que as decisões sejam concretizadas, o gestor financeiro precisa se munir de informações provenientes de projeções financeiras, por meio de diversos métodos de análise de investimentos, bem como estar a par da estratégia do negócio.

Melhor decisão

Somente após a análise de cada cenário e suas variáveis é que será possível decidir qual será a melhor escolha. Mas, como saber qual a melhor? Será aquela que apresentar maior retorno, ou seja, que traga melhor rentabilidade no menor tempo, com menor risco e que esteja totalmente alinhada com a estratégia do negócio. A melhor decisão deve fazer com que a empresa cumpra seu papel diante de seus stakeholders (investidores, clientes, fornecedores, dentre outros) e com a sociedade como um todo. A estrutura financeira da empresa também deve ser constantemente avaliada pelos gestores financeiros. Os níveis de endividamento com terceiros (passivos) devem ser monitorados bem como o custo deste capital, tendo em vista que o mesmo onera a empresa e, a depender do modo como foram negociados estes contratos, poderão fazer com que a empresa perca competitividade no mercado.

Conhecimentos e experiências

A apuração mensal e análise do resultado econômico e financeiro também é fator primordial para que as decisões estratégicas em finanças sejam assertivas. Conhecer o lucro operacional através da DRE – Demonstração do Resultado do Exercício, projetar cenários financeiros através do Fluxo de Caixa Projetado, entender os ciclos operacional, econômico e financeiro do negócio, conhecer a necessidade de capital de giro, apurar e analisar periodicamente o EBITDA (representa a geração de caixa operacional da organização), entender e avaliar riscos e cenários, dentre outros fatores, compõem o acervo de conhecimentos e experiências necessárias a que sejam tomadas decisões estratégicas em finanças.">
descer
IEL
Empreender com conhecimento

Consideramos os anos 80 como o período de surgimento do empreendedorismo. Havia, até então, a necessidade de dar maior expectativa de vida aos negócios, uma vez que 70% das empresas estavam fechando em aproximadamente três anos. Outro motivo para o surgimento com mais força do empreendedorismo foi a concorrência desenfreada, a implantação de alta tecnologia, as mudanças ambientais constantes e as políticas governamentais.

Surgimento do empreendedor

Para o surgimento do empreendedor, é necessário que algumas necessidades sejam satisfeitas. É fundamental que ele seja reconhecido com esse perfil, que desempenhe seu trabalho com independência, que se autodesenvolva e tenha segurança. Além disso, precisa de conhecimentos para ter sucesso, como aspectos técnicos sobre o negócio, conhecimento do mercado em que vai atuar, alguns cursos de formação complementar, dinamismo e atualização. Isso tudo é necessário a fim de aproveitar as oportunidades e evitar alguns riscos futuros.

Também é primordial que ele tenha facilidade de identificar boas oportunidades, resolver problemas, ter uma boa intuição, ser inovador e criativo, ter a capacidade de calcular corretamente riscos assumidos, ser objetivo, organizado, persistente, ter espírito de liderança, ser bom negociador, ter boa comunicação e ter uma visão global do negócio.

Perfil de empreendedor

Como um bom exemplo desse perfil de empreendedor, temos Constantino de Oliveira Júnior, presidente da Gol Linhas Aéreas. Com uma política de preços de passagens mais acessíveis, viabilizada através do corte de regalias desnecessárias, a sua empresa conquistou uma fatia importante do mercado aéreo e incomodou empresas de maior porte. Mas isso não aconteceu da noite para o dia. Foram necessários longos anos de planejamento, com o detalhamento de todos os passos, que depois foram postos em prática sem atrasar um dia sequer do previsto.

O empreendedor é formado em decorrência de alguns fatores, como pelos seus valores e atitudes. Esse perfil também pode vir por influência da família, já que muitas vezes os pais também são empreendedores. É claro que isso não determina que os filhos também serão, pois é preciso vocação. Sem isso, o negócio não irá para frente, haja visto o alto número de falências que ocorrem quando os negócios começam a ser gerenciados pelos herdeiros.

Para o empreendimento alcançar o sucesso, é preciso um minucioso planejamento.  Primeiramente, deve-se escolher qual a melhor oportunidade de negócio com base em levantamentos, como tendências, necessidades e deficiências de mercado, sempre levando em conta a região em que se pretende implantar o negócio, a tecnologia necessária e o capital que pode ser investido.

Público-alvo

Outro fator de extrema importância é considerar o público-alvo, com as suas preferências e costumes. É recomendado que seja feito um estudo detalhado sobre a viabilidade daquela ideia, como os riscos que o projeto pode correr, devido a políticas governamentais e mudanças climáticas, por exemplo. Dependendo do tipo de negócio, pode haver prejuízo.

Gerenciamento

Outro item fundamental é o gerenciamento do negócio. É importante que haja um controle para que o padrão não caia, com o monitoramento de todas as áreas por parte do empreendedor. Quem empreende deve estar em busca de oportunidades novas e alternativas para o crescimento do negócio, sempre. Para isso, o empreendedor deve estar atento a alguns aspectos pessoais que dificultam o sucesso dos empreendimentos, como o senso de invulnerabilidade, a crença de que é o “Super-Homem”, a impulsividade, a grande independência, a falta de experiência empresarial anterior, o excesso de autoconfiança, a falta de competência gerencial e a falta de qualidade nos serviços ou produtos.

Ernesto Antunes

Sobre o Autor: Ernesto Antunes

Consultor empresarial, instrutor de treinamentos e especialista em Logística Empresarial, responsável pela implantação das mais modernas ferramentas da gestão da qualidade em diversas empresas. Credenciado pelo RETEC do IEL Ceará.
Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *